[resenha] Fico à espera… de um texto

Fico à espera

“Fico à espera…”, de Davide Cali. Ilustrações de Serge Bloch, Tradução de Marcos Siscar, 2007.

Resenha de Fabiana Pedroni

 

Quando descobri que a palavra texto se originava do ato de tecer (“textus“, em latim), quis tecer o mundo. Fio a fio, palavra a palavra, iria entrelaçá-las para criar uma trama, uma tessitura de ideias. Da etimologia da palavra ideia, pegaria sua aparência exterior (“idéa“) para brincar com aquilo que há para fora dela. Uma trama é roupagem, é cobrir, é aquecer, é fechar. Mas, uma trama é também abrir, expor os nós, as sobreposições, é envolver pontas distintas.

As moiras já sabiam do valor de uma linha. As três irmãs, na cultura grega antiga, teciam o destino, cuidavam do fio da vida de todos os indivíduos. Na lenda japonesa, a linha é vermelha, apesar de invisível. Ela não se entrelaça em trama para formar tecido, mas sai de nosso dedinho mindinho, se alonga, retrai, enrola.

O ponto de partida não é aleatório. Já se perguntou por que muitas promessas, para serem seladas, precisam do entrelaçar da ponta do seu dedinho com a do dedinho de outra pessoa? É dessa ponta que se traça um caminho direto com o coração, pela artéria ulnar. É esse caminho que traz, do coração, nossa alma para o mundo. Esse fio vermelho invisível nos conecta com outras pessoas de forma profunda, para a partilha de experiências e um estar-junto, mesmo quando distantes.

É dessa linha que nos acompanha e nos guia aos encontros, que o livro “Fico à espera…” nos fala. Escrito pelo suíço Davide Cali e ilustrado pelo francês Serge Bloch, o livro nos conecta à história de um menino que, durante a espera, vive o mundo. Ele espera crescer, se esforça, se puxa para crescer, e logo ele cresce.

de crescer

Texto: “Fico à espera… de crescer”

filme

Texto: “… do começo do filme”

E é na espera do filme, naquela longa fila alinhada, que seu rosto avermelhado, ao centro da página, encontra outro rosto, o único a olhar para trás. Ele fica à espera… de reencontrá-la. O encontro acontece.

encontro

Texto: “… de reencontrá-la.”

 

As linhas pretas do desenho e das palavras nos atiram para a linha vermelha. Na imagem da espera pelo reencontro, a moça carrega a linha vermelha em seu pescoço, e o rapaz, animado por avistá-la e ver seu desejo de espera realizado, segura a linha na mão. Seu pescoço fica sem linhas, sua cabeça flutua, sua felicidade flutua. Não direi, aqui, todos os cantos aos quais a linha os leva, mas digo o quanto a linha reflete, no livro, os sentimentos e as vontades. A linha se estica, flutua, enrola, cria camadas entre os modos como nos relacionamos com o outro e com o mundo.

briga

Texto na página seguinte: “… de que o outro peça desculpas.”

A linha vermelha, que é novelo, que é destino, não fica presa ao livro. Ela é materialmente mais próxima de nós. Acompanhamos uma história, mas refletimos o quanto dessa história há em nós. Onde estão aqueles que esperamos, aqueles que perdemos, aqueles com quem compartilhamos um sorriso?

“Fico à espera…” é um livro para nos fazer acreditar no tempo, no poder da espera. Esperar não é se acomodar, não é deixar e esquecer. Este livro nos mostra que esperar é tecer, é escrever, é desejar intensamente até o momento do acontecer.

.

.

.

.

.

2 pensamentos sobre “[resenha] Fico à espera… de um texto

    • ❤ !!!
      Esse livro é muito lindo! A Fabiana tá estudando livros infantis e ilustrados no doutorado e eu fico bobo de como esses livros conseguem apresentar ideias super complexas de maneiras tão gostosas de se ler! (Rodrigo)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s