Caderno de Anotações, p. 078, 02.01.2012

Essas considerações me lembram, são a grande ambição. Eis no que fazemos, o pensar-poetante (poetar pensante). O que nos revela em verdade. Cá estamos a desbravar o caminho. Sempre com placidez. “O homem retira-se do que se mostra como familiar, acolhedor, retira-se constantemente da permanência segura do já conhecido e ainda assim, no seu caminhar, instaura vigor, instaura sua morada por onde caminha e ao caminhar” (Caderno de Anotações, p. 051, 19.11.2011). Necessitamos desse vazio-preenchendo-se, numa constância que é desfalecimento em direção ao novo. Assim somos. O funcionamento e a grandiosidade dessas construções vemos na junção daquilo que não pode realmente ser, na junção do que tende a separar-se, e por isso constrói diálogo. Tal indeterminação é o pensamento que intui, é a intuição que pensa, é o poder de criação, que é produção, é a palavra coisa e o sentido vivo, é poiesis.

Desejamos saber, e desejamos o saber vivencial da verdade do mundo; e o que é a realidade do ser que dialogamos em cumplicidade; apanhamos o sentido da aparência (eidos) que eleva-se a nossa frente. Quando nos abraçamos em um mergulho pelo pensamento dentro do pensamento, pela intuição dentro da intuição. Não-ser, direcionamento para a indeterminação e incompletude, que alimentamos a retificação de nossas vontades, no dizer de que estamos aqui, no querer olhar quem me olha.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s