Caminhar pelo Traço (corte horizontal)

Apresentação1

24.11.2012

O ponto através do qual não posso passar constitui meu limite. Se fosse simplesmente não poder ultrapassá-lo o rompimento da realidade seria assustadoramente pleno. Acontece que sempre já ultrapassamos a linha e ainda estaremos por ultrapassá-la constantemente encerrados na própria linha em relação ao outro. ELA estabelece uma base fingidamente tímida da consciência espacial do hábito com essa fronteira.

Essa linha é mesmo uma presença perseguidora como objetivo, pois desloca e guia. Coloca o observador de fora enquanto o circunscreve. Da terra, no único ato possível que é o de olhar, somos postos à margem dessa sequência de pontos supostamente ininterrupta e completa, fechada, embora prometa a liberdade. É que sua existência fundamenta a ideia de plus ultra. Trata-se da retificação de que há algo anterior à tentativa de negatividade, por mais impalpável que seja.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s