Traços contínuos, reais ou imaginários, que percorrem a cidade

Apontamento I, pp.51-53, 27.01.2012

Na equivalência de copertencimento contextual, as linhas intrincam-se hierarquicamente na delimitação do espaço urbano. Como as linhas que demarcam o espaço proficiente à escrita e que teimam em enclausurá-la sob o pretexto de organização, também as vias principais orquestram a vivência do sujeito.

Ao utilizar as vias como suporte a um trajeto, o sujeito nega-se a experiência das adjacências. Ir de um ponto a outro é cumprir objetivo sem relacionar-se mais profundamente com o espaço percorrido. Da janela do ônibus avista-se o entorno sem nele se inserir. Para além da inserção, o desejo maior de habitar a cidade é obscurecido. A tendência urbana e impessoal do percurso é o isolamento.

O desvio no traço contínuo é um movimentar-se em direção ao novo, na busca do conhecer-se. A relação do Ser no e com o espaço frutifica num adendo de possibilidades que desvela o próprio Ser. A existência dá-se na interrelação. A cidade torna-se objeto no momento-ato da relação com o sujeito, de mesmo modo que o sujeito torna-se objeto para a cidade.

Esse deslocamento pode ser físico ou mesmo o intento de alterar o arranjo relacional. O corpo faz parte do mundo e a ele está aberto. Compete ao sujeito incutir ou não obstáculos à interação. Por cerca de quatro anos um sujeito empregou um único caminho para deslocar-se do ponto A ao ponto B. A via tornou-se uma rotina. Sua imersão em alcançar o alvo excedia qualquer tentativa do mundo de tornar o sujeito num objeto com o qual pudesse estabelecer contato para além do superficial.

Em determinado e inesperado dia, seu veículo rotineiro o desencaminhou do habitual. Pneu furado. Momento oportuno para o princípio da novidade. Porém, o sujeito limitou-se. Abriu a porta, pegou o celular e ligou para a seguradora. O apogeu deu-se no contato apenas físico da sola do sapato com o asfalto. A pavimentação exacerbou-se com a possibilidade de ser “notada” e fez uso de suas propriedades numa tentativa estéril: elevou sua temperatura até criar ondulações pela reflexão da luz. Resultado? O sujeito retornou para o interior do carro, fechou-se no ar condicionado e na busca desesperada pelo retorno ao comum. Assim que o problema foi resolvido, regressou à movimentação de seu trajeto.

Segunda tentativa: obras – retorno. O perder-se é um eficiente modo de travar novos contatos com o espaço. O sentido de desorientação torna o sujeito vulnerável e aberto a habitar a cidade. Porém… somente lhe apeteceu o objetivo de chegar ao ponto B. No visual proliferaram novas informações que foram apreendidas objetivamente como um novo caminho, mas, ainda, um desvio pela via.

Enfim, terceira e última tentativa (para não nos prolongarmos sobre os infinitos empreendimentos do mundo). Fim de semana. A não-rotina do final de semana admite que o sujeito possa relacionar-se com o mundo de modo mais direto e sem pressa. Do fundo de sua memória recolheu a visão de um local agradável a ir em companhia de outrem. Era aquele bar, naquela rua daquele desvio. Sentando-se à mesa do estabelecimento, olhou para o céu, para os prédios, para as pessoas, para tudo que pudesse lhe alcançar. Seu olhar apenas perpassava o sentido da visão. O sujeito (agora nosso sujeito, já que a posse instituciona-se pela intimidade e relação com o objeto), naquele momento, habitou a cidade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s